8.000 jogos de arcade, 1 videogame: “Paperboy” (1984)

Os jogadores frustrados estão apenas tentando recuperar o tempo perdido. Graças a FLEX-arcade, Percorri a primeira parte do caminho para a Realização: um terminal fica na minha sala de estar. Resta-me embarcar no segundo objectivo: mergulhar nos 8.000 videojogos (e em particular nos arcade) que agora tenho à minha disposição. E por que não começar de bicicleta e distribuir jornais pelo bairro? Insira um canto, vamos para jornaleiro !

RESUMO

  1.  Onde colocamos as rodas? Pequena história de jornaleiro
  2. jornaleiro, um jogo de arcade estúpido
  3. jornaleiro, um videogame maligno
  4. Um jogo rico!
  5. Recursos adicionais em jornaleiro (trilha sonora, publicidade, etc.)

Obviamente, eu poderia ter lançado meu épico no retrogaming com a lista gentilmente cedida por este blog de 10 melhores jogos da história. Mas sejamos francos: sou um jogador tão apaixonado quanto eu e os monumentos me intimidam. jornaleiro oferece, em contraste, um programa tranquilizador e familiar.

Familiar, sim, porque parecia que já o tinha visto em algum lugar antes, esse garoto de bicicleta. Em uma máquina chamada Amstrad CPC (6128? 6128), como a que tenho em casa, só que não estava na minha casa. Arrependimentos. Além disso, o tema e o cenário do jogo cheiram ao cinema adolescente americano da década de 1980, o deE, do Goonies… Jornais no patamar, bicicletas, extensos subúrbios suburbanos, um mundo repetitivo mas cheio de detalhes e microvariações. Meu passeio de bicicleta em jornaleiro não vai acabar no ar como o deE, mas aposto com você, Ma-borne-à-moi, que será agitado. 

Um subúrbio tranquilo, então. Calma ?

1. Onde colocamos as rodas?
Uma história de jornaleiro

Atari, NES e terminal de guiador

Na verdade, uma pesquisa na Internet me diz que jornaleiro também pode ser considerado um monumento de videogame. Estou tonto... Foi publicado pela Atari em 1984 por um período máquina de arcade dedicada super legal COM guiador integrado. Então o que eu faço? Estou reclamando com o meu fabricante sobre a ausência deste guiador histórico no Ma-borne-à moi? Bem, ao mesmo tempo, 8.000 jogos…

O jogo foi um grande sucesso e claro foi desenvolvido muito rapidamente para consoles e PC, em quase todas as plataformas: Atari, Amiga, Amstrad CPC, Commodore, Game Boy, Game Gear, Megadrive, Lynx, NES… A versão apresentada no meu Terminal FLEX-Arcade é precisamente o do NES, para Nintendo Entertainment System (1983-1995), que na França chamávamos apenas de “la Nintendo” na época, ou “ma Nintendo”, se tivéssemos um, ou “ta Nintendo” se tivéssemos a chance de conhecer quem tinha “seu Nintendo”. Lançado em 1988 no NES, jornaleiro também é apresentado como um dos primeiros jogos de um estúdio americano publicado na Nintendo. O cardápio do Ma-borne-à-moi também me ensina que podemos brincar jornaleiro 2, notícias que recebemos com o entusiasmo necessário. Para que conste, o NES era assim:  

Console Nintendo "NES", imagem pexels-tomasz-filipek-1637439.jpg
O NES, conhecido como “O Nintendo”. Monumento inaugurado em 1983, desaparecido em 1995. Eu não a conhecia direito. Arrependimentos.

Jogo do ano 1986, senhoras e senhores!

Em 1986, Paperboy não só ganhou o título Jogo do ano da British Software Industry, também obteve nota 9,25/10 da revista alemã Mercado de software atual (RIP 1995). Em 1989 recebeu uma classificação de 100/100 da revista britânica ÁS (RIP 1992). Para ser sincero, as classificações caem a partir de 1991, mas no final, a versão NES do jogo, aquela que nos interessa, beneficia de uma classificação de 8/10 do site Honestgamers. com, que, como o próprio nome sugere, reivindica total independência no julgamento de videogames. 

As referências são boas… Ah, esqueci, o título em japonês é ペーパーボーイ. 

2. jornaleiro, um jogo de arcade
estúpido como repolho

O princípio do jogo pode ser entendido em dois segundos, o que gera temporariamente um otimismo ilusório. Inclui 7 níveis, cada um dos quais representa um dia. O objetivo: entregar (na verdade, jogar fora) jornais nas casas de uma rua reta que lhe são apresentadas no início de cada nível, assim:

Uma rua em “Paperboy”, tela de apresentação do dia.
Aqui estamos Segunda-feira, você só precisa ir até o fim da rua. Simples?

As casas brancas são aquelas dos assinantes para entregar: é jogar os jornais no patamar (isso ganha pontos) ou, melhor, na caixa de correio (isso ganha mais pontos). As casas vermelhas são de não assinantes, não devem ser entregues. Ainda podemos atirar-lhes jornais que lhes partem impecavelmente as janelas. Ato gratuito e delicioso? Sim, mas não só isso, como veremos mais adiante.

Sua máquina infernal avança sozinha, podemos (teoricamente) frear, mas não parar. Você “apenas” precisa navegar da direita para a esquerda e da esquerda para a direita para evitar obstáculos. Os obstáculos são obviamente numerosos, incrivelmente numerosos.

Se você chegar no final da rua, o que pela minha parte me levou a um bom dia, você termina o dia com uma improvável Curso de treinamento, ou “percurso de vários obstáculos em um terreno baldio”. Você tem que evitar paredes e grades móveis usando rampas enquanto joga os últimos exemplares de jornais em alvos redondos, pois isso ganha pontos.

Depois de um dia de trabalho, porque não atravessar um rio de lava?

Se você sobreviver e chegar à palavra “Terminar”, uma escassa multidão (três personagens) o aplaudirá em uma arquibancada projetada para 200 espectadores, julgue por si mesmo.

O fim de um nível em "Paperboy".
O que essas pessoas fazem no dia a dia?

Mal remunerada por uma viagem que acabou por ser verdadeiramente infernal, e que teve de recomeçar no dia seguinte. E eu estou apenas em Segunda-feira.

3. jornaleiro, um videogame maligno

O aprendizado interminável do lançamento de toras

O famoso lance de jornal.

Se você não entregar os jornais na casa dos assinantes, eles cancelarão a assinatura no dia seguinte. Pior ainda, se você não lançar corretamente os jornais no patamar ou na caixa de correio, você quebra uma janela e perde eles (os assinantes, porque os jornais, enfim…).

Você também tem um estoque muito pequeno de jornais: você precisa coletar pilhas deles no caminho. Se você não os coleta, porque teve que evitar um obstáculo ao mesmo tempo, por exemplo, ou simplesmente é incompetente, você não tem mais nenhum. E se ficarem sem eles, os assinantes não receberão os jornais. E você os perde. 

Um truque pode salvá-lo, e aponto-o porque só o compreendi muito tarde (sou um lixo, já lhe disse o suficiente?): ao atirarem jornais nas janelas das casas vermelhas, os habitantes voltam a subscrever o próxima rodada (se você chegar tão longe). Por que eles estão fazendo isso quando suas casas estão sendo degradadas? Mistério.

Quebre as telhas das casas vermelhas,
na verdade é bom.

Ainda assim, felizmente esse truque existe, pois é muito mais fácil lançar os logs nas janelas do que no alvo. Apertar o botão na hora certa para enviar o jornal para o patamar é difícil, mas enviá-lo deliberadamente para a caixa de correio é impossível… para mim. Talvez eu pudesse considerar isso se o caminho estivesse livre, mas não está de todo.

Evitar obstáculos, uma grande arte

Como coordenar seu arremesso enquanto se prepara para evitar a roda solitária que atravessa a tela da esquerda para a direita? E como evitar o volante sem sair da calçada e bater no carro ali estacionado? E caramba, como você volta para a calçada quando há um bueiro se aproximando e não há muitos lugares bons para voltar para a calçada? As trajetórias a percorrer neste jogo são estranhas. Você vai me dizer, a física dos jogos arcade é estranha, esse é o interesse deles. E você está certo. 

Por fim, quando se trata da estranheza das trajetórias e ângulos, de que adianta falar da pista de obstáculos final? Pensamos em subir as rampas sem incidentes e bater na parede. 

Aí está, essa é a vida de um ex-gamer frustrado por tantas horas perdidas de treino e, acima de tudo, essa é a vida de um Paperboy masoquista. 

Três vidas são muito poucas para
um ciclista desajeitado

Um encontro com um obstáculo e você acaba em uma pilha de pixels, assim:

Bicicleta bateu em “Paperboy”
Reunião infeliz.

Isso acontece com frequência. Agora, último prego no caixão, o Paperboy só tem três vidas: três quedas e Game Over.

Então eu ainda não fui além Terça-feira. Mas ainda assim dei boas risadas, porque felizmente o charme do jogo não está apenas na dificuldade.

4. jornaleiro, um jogo rico!

O detalhe que mata é a obsessão do cinéfilo e talvez mais ainda do jogador de videogame. O grande número de detalhes incomuns que pontilham Paperboy sem dúvida explica sua popularidade entre os retrogamers. 

Depois da minha inocente e dolorosa descoberta do jogo, vaguei por algumas plataformas conhecidas para descobrir os detalhes e personagens que teriam me escapado (afinal, não fui além do Segunda-feira). E na verdade, eu não tinha visto tudo.

Se preferir descobri-los por si mesmo, talvez possa rolar de olhos fechados até o final do artigo, mesmo que isso signifique partir nossos corações?

Obstáculos “comuns” (embora)

  • A roda solitária. Ela cruza regularmente a tela. Não sabemos de onde vem, não sabemos para onde vai.
  • Carros. Você suspeitou disso. São poucos (um vermelho, um verde…). Estão mais presentes, e sobretudo mais rápidos, na versão arcade original.
  • Decorações de jardim e cercas. Subúrbio obrigado.
  • Hidrantes, bueiros. Imóvel, felizmente.
  • Árvores. Imóvel, felizmente.
  • Caixas. Imóvel… Ok, pare.
  • Um carro com controle remoto. Móvel, infelizmente. Não sabemos quem a está guiando.
  • Uma criança em um triciclo. Talvez aquele que guia o carro com controle remoto.
  • Um canil. Nada a dizer sobre isso, mas muitas vezes é acompanhado por…
  • …A cachorro, que persegue o entregador.
  • Um gato grande na estrada. Realmente grande.
  • Skatistas solitários. Normal, este é o período De volta para o Futuro.

Estranheza…cultos

  •  O dançarino de break no pavimento. Uma época e tanto, hein? 
  • Eu já mencionei o três caras que nos recebem na chegada da turnê explodindo de alegria no fundo de uma grande arquibancada vazia. Não falávamos assim em 1988, mas hoje iríamos achar “estranho”.
  • O trabalhador da britadeira no pavimento. É claro que não perfura nada, mas vibra, e nós também.
  • Uma dama que sai de sua casa para perseguir o entregador com um objeto não identificado na mão, talvez um rolo de massa.
  • Ladrões. Eles me escaparam: você pode acertá-los com um arremesso de jornal, isso ganha pontos. Mas você também pode errar e explodir um ladrilho, é claro.
  • Um tornado (pequeno, certamente, mas é um tornado). E porque não ?
  • Sepulturas no jardim. E eles caem quando você joga um jornal neles (este é talvez o detalhe mais incomum deste jogo). A sua presença talvez se explique por outra aparição inusitada, a de…
  • A morte em pessoa. O Ceifador, o Ceifador. Morte, o quê.
  • O mais misterioso para mim, e para muitas outras pessoas obviamente: um cara de vermelho que sai do jardim, onde ele ficou imóvel, para atravessar a rua. Ele usa algum tipo de anel grande na mão, ou talvez uma corda. Achei que ele era o tipo de cowboy que amarra bezerros em rodeios, mas não dá para distingui-lo muito bem. Na verdade, seria a reprodução de uma decoração de jardim muito popular em uma época (veja o último link no final do artigo): uma estátua de um jóquei. Muito, muito estranho. 

É isso, resumindo jornaleiro, é muito humor e surrealismo num cenário a priori banal e repetitivo. O suficiente para se divertir, apesar da pontuação miserável. Sobre pontuações, o site Galáxias Gêmeas  lista registros de pontos. Em um terminal Atari, é verdade (e no modo “rua fácil”, pfff), mas pode dar uma ideia para você se calibrar. Ou melhor, para não se padronizar.

Recursos adicionais

Como amantes de música experientes, vocês não podem perder a trilha sonora brilhante do jogo, aqui, no canal 8BitStereo no YouTube de Niko, grande especialista em trilhas sonoras de videogames.

A propaganda americana da versão NES do jogo no canal do YouTube RGTV (Retro games TV), aqui.

E um excelente episódio de Nerd irritado de videogame, fanático do canal Cinemassacre no YouTube, que me confirmou muitas coisas sobre esse estranho jornaleiro Versão NES, nomeadamente sobre a dificuldade de compreensão das rampas e sobre o provável significado do estranho Homem de Vermelho. Legendado em francês.

Yannick Campe
Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Yannick Campe

Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Sobre

Na FLEX adoramos videogames, é essa paixão que abalou nossa infância (e talvez a sua!?) que nos impulsiona nesta aventura, de projetar e fabricar máquinas soberbas para reproduzir os melhores títulos da jovem história dos videogames. Produzimos uma gama “pronta para jogar”, mas também fazemos encomendas especiais para terminais de arcade únicos e com personalidade usando, por exemplo, a base de um barril de vinho de 300L ou uma caixa de munição do exército francês! Estamos à sua disposição para seus projetos, compartilhe seus sonhos mais loucos, adoramos torná-los realidade.

Os artigos mais recentes

Nos siga no Facebook

Monte seu terminal você mesmo (tutorial)

Anúncio

0
Seu carrinho está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nenhum item ao seu carrinho.

Procurar produtos
Alimentado de Caddie
pt_PT