O pai de Beat The All: “Kung-Fu Master” (1984)

Dizemos “Beat them all” em francês (bem, na França), mas em todos os outros lugares dizemos “Beat'em up” ou “Beat them up” (ou “Scrolling Fighter” ou “Brawler”), sabe-se lá por quê (nós poderia, mas é muito longo). De qualquer forma, é uma espécie de jogo de luta em que você avança do ponto A ao ponto B eliminando os inimigos com “shpaaffff”, baseado no modelo de um jogo lançado em 1984 em máquina arcade: Mestre de Kung Fu. Mas este último não capta apenas a essência de um género: a sua rica história cruza a do cinema a vários níveis (Jackie Chan, Bruce, Agnès Varda…) e envolve jogadores importantes dos videojogos (Irem, Takashi Nishiyama…).  

Resumo

  1. Um jogo de cinema: Bruce Lee, Jackie Chan e Agnès Varda
  2. Um novo tipo de jogo: “Vença todos eles”
  3. Além do interesse histórico, um desafio difícil e, portanto, estimulante, vença todos
  4. Três vezes nada mais Kung Fu*

A tradução de Beat them All diz “vencer todos” (ou estourar, fumar, bater, zlatanizar, pulverizar, destruir…): é exatamente isso. O termo “técnico” em francês seria “jogo de luta de progressão”, e é exatamente isso também. O objetivo de um jogo “Vença todos eles” é progredir através de uma floresta de inimigos com os punhos (ou com o que você tiver permissão para usar) para acabar derrotando um “chefe de fim de nível”, ou “chefe”, o que permite passar para o próximo nível, e assim sucessivamente até chegar ao “chefe final”, ou “Chefe”.

Mestre de Kung-fu, pai de Beat The All
Kung Fu versão da máquina de arcade.

Os cenários mudam (ruas, cavernas, navios piratas, etc.), as roupas evoluem (quimonos, fardas, uniformes punk, etc.), as formas de combate variam (artes marciais, esgrima, brigas de rua, etc.), mas o princípio permaneceu inalterado desde o famoso jogo de arcade Mestre de Kung Fu (1984), chamado espartano no Japão, e adaptado sob o nome simples Kung Fu (1985) para Nintendo NES. Esta última versão vendeu 3,5 milhões de cópias, tornando-se o décimo segundo jogo mais vendido neste console.

Mestre de Kung-fu, pai de Beat they all, versão NES
Kung Fu Versão Nintendo

As versões arcade e Nintendo tiveram mais sucesso e também são as melhores (certifique-se de ter pelo menos uma em seu Terminal de fliperama FLEX !). O jogo foi adaptado para a maioria das plataformas de 8 bits (Atari 2600 e 7800, Apple II, NES, Commodore 64, Amstrad CPC, ZX Spectrum, Game Boy) e ainda gerou duas sequências (Vigilância em 1988 e espartano em 1991), mas sua dinastia terminou rapidamente: a partir de meados da década de 1980, o gênero foi enriquecido na velocidade de um soco (Dragão Duplo, Trojan, Streets of Rage…) e rebaixados Mestre de Kung Fu ao já apreciável posto de figura tutelar de Beat them All. 

1. Um jogo de cinema: Bruce Lee, Jackie Chan e Agnès Varda

O cenário: você deve entender muito rapidamente

Mestre de Kung-fu, pai de Beat they all, apresentação da versão arcade
Que cruel.

O herói desta história se chama Thomas, Keiji Thomas: vamos chamá-lo apenas de Thomas. Ele é o mestre do kung fu. Então aí está, Thomas tem uma filhinha, ela é linda e o primeiro nome dela é Silvia. Silvia foi sequestrada pela gangue X, liderada pelo Sr. O Templo tem 5 andares para percorrer, e no final do dia, avisa o Sr. “5 sons do Diabo vão te entreter”. Belo programa.

Entre Thomas e Silvia também existem centenas de vilões secundários. Em última análise, o objetivo do jogo é o mesmo de Bolha Bobble. Claro, também não é exatamente a mesma coisa.

Dois filmes para criar um jogo e um herói meio Bruce Lee meio Jackie Chan

O progresso de Mestre de Kung Fu é inspirado na história do último filme de Bruce Lee (1940-1973), O Jogo da Morte. Como você provavelmente sabe, o mestre morreu antes do término das filmagens, mas mesmo assim um longa-metragem foi lançado nas telas em 1978.

Mestre de Kung-fu, pai de Beat they all, Kareem Abdul_Jabbar
Quase Kareem Abdul-Jabbar, quase com o time do Lakers

Resumo: para libertar uma mulher, Bruce Lee vai até um prédio de 5 andares e enfrenta um adversário formidável em cada nível. A luta mais famosa é, claro, aquela entre Bruce e o lendário jogador de basquete Kareem Abdul-Jabbar (1,72 m contra 2,18 m).

Mestre de Kung-fu, pai de Beat The All
Versão NES… Diferente

Isso acontece em 3e andar, como no videogame: a versão arcade de Mestre de Kung Fu “fielmente” representa Kareem Abdul-Jabbar; a versão para NES simplesmente o transforma em um gigante negro um pouco menor, mas mais atarracado. Em suma, o cenário de Mestre de Kung Fu é aquele de jogo da Morte e nosso querido Thomas é um pouco como Bruce Lee. Mas também é um pouco Jackie Chan. 

Lembre-se, o título japonês do jogo arcade de 1984 é Espartano X. No mesmo ano, um filme de Hong Kong foi lançado no Japão, cujo título japonês também foi espartano. Internacionalmente, é chamado Rodas nas refeições, e em francês Sede de justiça (E por que não, afinal?). O mais importante para esta história é que o herói de espartano se chama Thomas, interpretado por Jackie Chan, e que Thomas busca libertar Silvia. O videojogo é, portanto, a adaptação da última parte do filme, que se passa num castelo (este link vai te levar até a luta final, bem legal na minha opinião), e isso, para ajudar na divulgação do filme (e vice-versa). 

Para falar a verdade, é difícil saber, com apenas algumas horas passadas na Internet, quem criou o quê e o que influenciou quem. Esta é uma reformulação rápida e oportunista de um jogo já produzido a partir da tela do jogo da Morte ou um jogo realmente produzido a partir espartano pegando elementos do filme de Bruce Lee? A primeira hipótese parece quase óbvia, mas se você tiver uma ideia mais específica, avise-nos. Lembremos apenas de dois pontos importantes: as indústrias do cinema e dos videogames foram feitas para conviver há muito tempo; e acima de tudo, o desenvolvimento de Beat them all deve muito ao cinema de artes marciais em geral e ao cinema de Hong Kong em particular, o que parece ainda mais óbvio agora.

Um pequeno desvio pelo cinema francês

Dois filmes levam o nome Mestre de Kung Fu. As datas mais recentes são de 2009, seu ator principal é Jackie Chan (pode-se suspeitar disso). Mas o mais antigo (1988) é francês, foi dirigido por Agnès Varda e nada tem a ver com artes marciais: conta a história de um romance proibido entre uma mulher de meia-idade (Jane Birkin) e um adolescente (Mathieu Demy).

A obra é notável e, para nós, é sem dúvida o melhor filme para descobrir Mestre de Kung Fu já que o jovem herói é um ávido jogador de máquinas arcade e descobrimos o andamento do jogo espalhado ao longo do filme, até ao final (o do filme e o do jogo). Nos primeiros diálogos em torno Mestre de Kung Fu, Julien (o herói) conta com eloquência quase tudo o que há para saber: “É um jogo muito difícil (…) Tem atirador de faca, eles jogam para cima ou para baixo, então você tem que pular ou se abaixar (…) No final de cada andar tem um estábulo de vaca, um grandalhão ou um bruxo, temos que subir para transar com ele, e cada vez somos lembrados que temos que entregar Silvia, às 5e chão."

Você pode descubra aqui primeiros trinta segundos do filme, uma saborosa representação de Mestre de Kung Fu em fotos reais.

2. Um novo tipo de jogo: vença todos

Nascido sob uma estrela da sorte: os criadores

Tipo R, Jogo Irem

Mestre de Kung Fu é um jogo publicado pela prestigiada empresa Irem, que entre 1979 e 1995 produziu nada menos que sessenta jogos arcade, antes de se dedicar exclusivamente ao desenvolvimento em Playstation(s) a partir dos anos 2000 (e desenvolvimentos capitalistas nos quais não nos deteremos). Para seu crédito, além Mestre de Kung Fu, um sucesso interestelar de Shoot t'em up, Tipo R (1987-2021), ou mesmo Mestre das lâminas (1991), Assalto Aéreo (1993) e Na caçada (1993). Uma boa loja.

Lutador de Rua 1. Sim, acontece que atinge o vazio.

O designer é Takashi Nishiyama, que deixou Irem após este jogo para ingressar na Capcom. Na Capcom dirigiu, entre outras coisas, troiano (1986), outra referência venceu todas, então Lutador de rua (1987), muito simplesmente (ver acima). Na SNK, ele criou Fúria fatal (1991). Ele também está trabalhando na produção do primeiro Mega homem (1987) e algumas sequências de Lesma de metal. Ele fundou a Dimps Corporation em 2000, cujo importante trabalho deixo vocês descobrirem em sua página Wikipédia. Em suma, um gigante.

Para quem como eu é obcecado pelo mundo sonoro dos videogames, destacamos também que a música agitada de Kung Fu é assinado pelo mestre Koji Kondo, mais conhecido obviamente por seu fantástico trabalho em A lenda de Zelda e Super Mário. E Koji Kondo ou não, e os sons do jogo? Kung fu-izing, certo?  Mestre de Kung Fu e Campeão de Karatê, lançado no mesmo ano, transformou o mundo dos sons de combate: depois de 1984, os “efeitos sonoros de Bruce Lee” estariam em toda parte nos videogames.

Múltiplas lutas + rolagem = nascimento de um gênero

Antes Mestre de Kung Fu, os jogos de luta já existiam há bastante tempo, principalmente no boxe. Lançado no mesmo ano que Mestre de Kung Fu, Campeão de Karatê, já mencionado, vê o karateca competir em torneios um contra um, baseado no modelo Contra o jogo de luta, que se tornará outro gênero popular de jogos de luta, é claro.

Mas para a liberdade de movimentos do jogador era necessário olhar para os jogos de plataforma ou de aventura: viajar de uma mesa para outra ainda não existia no jogo de combate corpo a corpo. Mestre de Kung Fu combina os dois, o que aconteceria um dia ou outro: o lutador se move e luta ao mesmo tempo. E ele não enfrenta os bandidos apenas um por um, ele tem que lutar contra todos. Soma-se a isso o princípio do “chefe” no final de um nível, já bastante utilizado. Múltiplas lutas + rolagem lateral = Vença todos. E então isso é tudo. O estilo destes jogos é agora imediatamente identificável, mesmo após a transição para o 3D: Mestre de Kung Fu sintetiza esse estilo.

3. Além do interesse histórico: um desafio difícil e, portanto, estimulante, vencer todos

Visto a partir de 2022, não encontramos a priori nada de fascinante em Mestre de Kung Fu. As configurações são imutáveis e não são realmente inesquecíveis. Mas é o bom e velho arcade: o que importa é a jogabilidade, os adversários, o desafio e a contagem dos punhos (que jogo de palavras, obrigado). Deste ponto de vista, é excelente. Minimalista, Mestre de Kung Fu vai direto ao ponto.  

Simplicidade, eficiência

Não é a melhor maneira de realmente entender um jogo assistir a um bom e velho aviso da hora ?

Como resultado, a versão em questão é a do NES, mas tudo isto é muito adaptável a uma máquina arcade. No NES, há um nível de jogo A fácil e um nível de jogo B difícil. Tranquilizador... O modo de acabamento A já é uma coisa e tanto. 

Kung fu, quadro de apresentação

Cinco andares, cinco chefes, pequenas funcionalidades em cada andar. Além disso, os níveis são curtos. Um jogador pode, teoricamente, terminar o jogo em um quarto de hora, ou até menos. Simples. Você pode se mover para a direita ou para a esquerda, pode se abaixar ou pular, pode socar ou chutar e, claro, o jogador pode combinar tudo isso. Seis movimentos possíveis. É curto e suficiente. Simples.

Um jogo muito curto (em teoria)

Este é um aspecto notável do jogo: terminar todas as versões do Mestre de Kung Fu, não leva mais de 15 minutos. Além disso, há um tempo limitado em cada nível e um cronômetro (quando você já tende a entrar em pânico diante do influxo de inimigos, é difícil de suportar). Isto parece incrivelmente curto, especialmente agora que cada Vença todos eles constitui uma maratona em paisagens muito diversas. Mas vamos lembrar que não salvamos os jogos de Kung Fu, e que em uma máquina de fliperama você tinha que jogar com créditos. Em suma, o interesse não reside na descoberta dos universos que passam mas no desafio de chegar ao fim fazendo cada vez melhor: um tempo de jogo muito curto transforma-se num tempo muito longo para o jogador incansável.

Mestre de Kung-fu, pai de Beat they all: the Grippers
As “garras”. Eles tentam agarrar Thomas.

Os vilões

Existem os inimigos inferiores, os mais numerosos, a plebe: os “grippers”. O objetivo deles é agarrar Thomas para drenar sua energia, então é melhor não deixá-los acumular. Para mim eles são a personificação dos judocas, certo?

Mestre de Kung-fu, pai de Beat they all: atiradores de facas
O atirador de facas, que tenta esfaquear Thomas.

O inimigo comum mais notável e temido do jogo é o atirador de facas. Suas características são difíceis de evitar no longo prazo. Bem, eu não posso fazer isso. Existem também dois anões, os Tom Toms. Eles são dolorosos. Mas o pior, além dos chefes, continuam sendo as cobras, dragões, confetes, bolas, “mariposas venenosas” (???) que ficam espalhadas pelo jogo.

E tem os chefes, os “5 filhos do Demônio”: um stick-man de 1er, um ás bumerangue aos 2e, um gigante (já visto) aos 3e, um mágico para matar e re-matar e re-matar aos 4e e o Sr.e.

Pequena crítica: ele faz jus ao seu nome, esse Sr. Um pouco sem graça, talvez? Resta o seu riso, obviamente, que ressoa em todos os andares. Uma risada pura e maligna.

Tomados um por um, porém, nenhum de seus vilões é tão formidável. Seu comportamento é previsível. Simplesmente, quando todos chegam ao mesmo tempo, você tem que escolher quem atacar primeiro. E aí a gente entende que é difícil, Kung Fu.

Dificuldade máxima

Na verdade, como diz o jovem herói do filme de Agnès Varda, “é um jogo muito difícil”, e para mim isso é um eufemismo. Para ter sucesso em Kung Fu, é preciso habilidade, coordenação, timing, lançamento na hora certa. Caso contrário, no tempo que leva para atirar em outro, Thomas pode ser atingido ou agarrado, e seu medidor de vida cai. 

Você precisa de conhecimento: você não pode fazer nada para desabafar, nem pode esperar nas sombras (o cronômetro está passando). Por exemplo, cada chefe deve ser morto de uma determinada maneira. Você tem que encontrar o método certo para lidar com cada situação (entender fumar o inimigo certo da maneira certa) e aplicá-lo com rigor.

O conhecimento é importante para obter pontos: uma determinada forma de matar um inimigo ganha mais pontos do que outra (ver manual). Porém, atingir 50.000 pontos ganha uma vida adicional (o jogador tem 2 no início). Não esqueçamos que estamos num fliperama e que só contam os pontos! A prova: no final, você aproveita a liberação de Silvia dez segundos antes de ser mandado de volta à luta, tudo com o objetivo inútil de melhorar sua pontuação.  

A coisa

Os 12e inimigo do chão, chute com salto: 5000 pontos

Na Internet, muitos “segredos” são compartilhados, e este é muito difundido: se você matar os 12e inimigo de cada nível com um chute de salto, você ganha 5.000 pontos de uma só vez. O que não é um luxo porque chegar a 50 mil pontos vale mais uma vida, lembre-se. Além disso, podemos ler no manual que se você matar vários inimigos com um único salto, os pontos serão multiplicados.

A lenda urbana

Muitas vezes você precisa de um em um grande videogame: todo mundo repete que alguns acreditam ou acreditaram que depois de 50 vitórias no jogo aconteceu algo diferente no final, como um duelo com Silvia. Ninguém acredita e, além disso, não é verdade, mas todos repetem. Como eu, então.

4. Três vezes, nada mais Kung Fu

vou te passar o link do excelente início do filme de Agnès Varda Mestre de Kung Fu, para aqueles que deixaram escapar pelo caminho. 

 O música, claro, no canal Raul Vader. Vá bem até o final, o “waadaa” final é excelente, assim como o rir do Sr.. Afinal, ele deixou sua marca nos jogadores da Nintendo. 

Uma luta entre o Keiji Thomas da máquina de fliperama e o Keiji Thomas do NES, você pode perder? Está no canal do YouTube 1983 cabeça de papagaio.

Yannick Campe
Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Imagem de Yannick Campe

Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Sobre

Na FLEX adoramos videogames, é essa paixão que abalou nossa infância (e talvez a sua!?) que nos impulsiona nesta aventura, de projetar e fabricar máquinas soberbas para reproduzir os melhores títulos da jovem história dos videogames. Produzimos uma gama “pronta para jogar”, mas também fazemos encomendas especiais para terminais de arcade únicos e com personalidade usando, por exemplo, a base de um barril de vinho de 300L ou uma caixa de munição do exército francês! Estamos à sua disposição para seus projetos, compartilhe seus sonhos mais loucos, adoramos torná-los realidade.

Os artigos mais recentes

Nos siga no Facebook

Monte seu terminal você mesmo (tutorial)

Anúncio

0
Seu carrinho está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nenhum item ao seu carrinho.

Procurar produtos
Alimentado de Caddie
pt_PT