Retrogaming de console, especialmente com bolhas

Se você está chateado, mas preocupado com sua figura, qual é o equivalente do sorvete no videogame? Bolhas. Ou “bolhas” em inglês, o que é mais engraçado. Pronunciar “beubeulse” é calmante: você já consegue ouvir o pequeno “pop” da bolha desaparecendo? Basta atirar neles, agarrá-los, subir neles, explodi-los, empurrá-los ou esbarrar neles, porque existem de todos os tipos e borbulhar leva tempo. Na verdade, brincar com bolhas de pixels já consumiu horas da vida de cada um de vocês e de muitos de seus ancestrais. Esta história de bolhas começou com as máquinas de arcade e continua com os telefones celulares, depois, é claro, com a caixa do console; o retrogaming provavelmente não ajudará nas coisas.

Resumo

  1. Bolhas de todos os tipos
  2. Mas acima de todas as bolhas que atiramos
  3. O que mais ?
    • Bolhas minúsculas (1998) !
  4. Pequeno retorno à música em Bolha Bobble

Começou assim: uma bolha de sabão na pia. Na verdade, o primeiro videogame com bolha data de 1982 e é chamado de forma muito ilógica Bolhas, porque há apenas uma bolha no jogo e você a joga. Não é legal ser uma bolha na pia? Os videogames fazem você experimentar emoções extraordinárias.

1. Bolhas de todos os tipos

A bolha de sabão – Bolhas (1982)

Uma visão horrível, não é?

Bolhas é um jogo de videogames publicado pela Williams Electronics. A ação, portanto, ocorre em uma pia. A bolha (você) deve remover sujeira, formigas e migalhas, evitando escovas, esponjas, baratas e lâminas de barbear. Às vezes, uma curiosa dona de casa em miniatura limpa a pia. Pegá-lo de passagem ganha pontos e relativa proteção contra os pincéis (você rouba a vassoura dele).

Todo um mundo maravilhoso

Quanto mais impurezas boas ela engole, maior fica a bolha, até ficar grande o suficiente para engolir pincéis e esponjas. E se tudo correr bem, a torneira corre e a água leva você para a mesa ao lado.

Bolhas nunca foi adaptado para nenhum console, e isso é uma injustiça porque este grande e original jogo realmente não tem nada a invejar Pac-Man, se não o seu labirinto. Se você tem uma máquina de fliperama, jogue Bolhas, você não vai se arrepender !

É verdade que provavelmente não é o jogo de bolhas que mais alivia o estresse que existe, mas limpar uma pia não é uma atividade que alivia o estresse. 

A bolha inflamável

Repugnante

É muito raro que as bolhas dos videogames sejam realmente nossas inimigas. Na pior das hipóteses, nós os rebentamos ou eles nos enterram, mas isso acontece sem ódio. Exceto em Submundo, um jogo espacial lançado no Commodore, Amiga e outros Amstrad CPCs em 1988. Sua nave deve coletar diamantes no espaço enquanto evita muitas coisas, incluindo dragões que cospem bolhas. Bolhas mortais, provavelmente cheias de fogo grego ou algum ácido. De qualquer forma, quando atiramos neles, faz um boom. 

Talvez devêssemos ver isso como um desvio das bolhas sopradas por outros dragões que apareceram no cenário mundial dos videogames dois anos antes e nunca mais saíram.

Você definitivamente os conhece

A bolha que sopramos – Bolha Bobble (1986)

A bolha decolou em 1986 com o clássico dos clássicos: Bolha Bobble (a ser pronunciado dez vezes seguidas), desenvolvido pelo estúdio Taito, como Invasores do espaço. E como em Invasores do espaço, Começa com um pesadelo, já que Bub e Bob (a serem pronunciados 10 vezes seguidas) foram transformados em dragões pelo Barão von Blubba (a serem pronunciados 30 vezes seguidas), que também sequestrou suas namoradas.

Portanto, você terá que encontrá-los saltando de plataforma em plataforma. Você só tem uma arma para prender os inimigos: bolhas.

Uma vez presos, os bandidos podem ser engolidos e transformados em comida. Há comida e bebida em Bolha Bobble, incluindo batatas fritas e coquetéis patrocinados.

Tudo se passa ao som de músicas extremamente famosas e, no mínimo, inebriantes… Obsessivas? Teríamos que inventar uma palavra, sem dúvida. Veja o recursos no final do artigo se você tiver a infelicidade/sorte de não conhecê-la. O autor é Tadashi Kimijima, seja ele abençoado ou amaldiçoado dependendo do seu humor no momento.

É um eufemismo dizer que o jogo era famoso. Você tem a escolha do console, amigos do retrogaming, Bolha Bobble foi adaptado em todas as mídias e gerou 11 sequências entre 1987 e 2019 (diga esta lista em voz alta cinco vezes seguidas): Ilhas Arco-Íris, Estrelas Parasol, Bubble Bobble Parte 2, Bubble Symphony, Bubble Memories, Bubble Bobble Antigo e Novo, Bubble Bobble Revolution, Bubble Bobble Evolution, Rainbow Islands Revolution, Bubble Bobble Double Shot, Bubble Bobble 4 Friends. Aposto que você é um Terminal de fliperama FLEX que não vai parar por aí.

Ah, sim, devem ter sido os pais. E aqui estão os rostos reais de Bob e Bub, ou vice-versa.

O primeiro avatar nasceu em 1990: em Irmãos da Neve, as bolhas são transformadas em bolas de neve, para uso quase idêntico. Sobre tudo, Bolha Bobble tem seu Spin-off (série derivada), em que os dragões Bob e Bub trocam o mundo das plataformas pelo dos atiradores de bolhas: Quebra-cabeça Bobble (1994). Talvez para competir com o mítico Dor (1989)? Voltaremos a este avanço decisivo na segunda parte.

Resumindo, no mundo das bolhas pixeladas, quase tudo deriva Bolha Bobble. 

A bolha da poupança

Em Bolha tonta (1990), certamente não o mais conhecido dos episódios do citado Dizzy (não foi adaptado para consoles), o ovo preferido dos gamers conta com bolhas para vagar pelo fundo dos mares. E é lindo.

Tonto

Em Mickey World of Illusion estrelado por Mickey Mouse e Pato Donald (1992), Mickey e/ou Donald entram em uma bolha para cruzar o oceano. E é muito bonito. Em 1994, Problema de bolha (lançado na Lynx) transpõe a mesma situação para o espaço.

Seu nome me escapa
Êxtase

Finalmente, em Êxtase, um surpreendente jogo de quebra-cabeça francês de 1990, o jogador usa bolhas para consertar os circuitos de um andróide. Uma bolha crescente que acompanha um universo sonoro e visual igualmente crescente. 

A bolha que cresce

Osmos

No gênero crescente, podemos citar Osmos (2009), em que o jogador busca fazer um corpo celeste – ou uma célula, ou na verdade são bolas-bolha hipnotizantes – crescer engolindo outros corpos celestes. O que retoma o princípio do antigo Bolhas, assumido em 2014 pela Bolhas grandes, mas sim no fundo da água (os ruídos são relaxantes até certo ponto...).

A bolha que empurramos – Bolha Fantasma (1987)

Uma bolha, um fantasma que explode, é Bolha Fantasma

Retorne ao console (portátil) e ao retrogaming com um uso muito engenhoso da bolha no centro da jogabilidade: em Bolha Fantasma, publicado em 1987 para PC e para Game Boy em 1990, um fantasma sopra uma bolha de sabão que deve empurrar em todas as direções para cruzar todos os níveis. O fantasma fica feliz quando chegamos lá e xinga quando a bolha estoura. É divertido e não é fácil.

O princípio é retomado posteriormente no excelente Bolhas de alma (2008). As bolhas aqui são maiores, mais numerosas, mais sólidas e os universos mais variados. É muito, muito, muito bonito.

Apesar de tudo, se fazemos muitas coisas boas com bolhas nos videogames, o favorito final e universal do jogador que procura “pop” e “wizzz” é pulverizá-las.

2. Mas acima de todas as bolhas que atiramos

Bolhas são bolas e Dor (1989)

Dor é o primeiro jogo de tiro com bolhas, mesmo que objetivamente as bolhas aqui sejam uma mistura de bolas quicando e balões. Na minha opinião, ainda são bolhas para quebrar e se divertir. O princípio, retomado em Super Pang em 1990 para Super Nintendo, é imutável: mesas fixas, um garoto explorador que atira ganchos para destruir as bolhas que borbulham do céu. E isso é legal. Series Problema de bolha (De agora em diante Luta de bolhas) também opera o sistema de Dor.  

A variação da bolha do bilhar

Em Emoção (1990), uma espécie de Shadok esférico (é uma nave especial) deve eliminar as bolhas empurrando-as em todas as direções para associá-las, como posteriormente em todos os jogos de tiro com bolhas. Mas não é tiro, é mais como bilhar com ácido, pelo menos nas versões para PC (a versão para Game Boy, publicada sob o título O Jogo da Harmonia, é menos exigente). É lindamente colorido, como isso mostra. vídeo.

A dinastia Quebra-cabeça Bobble

E aqui está o momento que todos vocês esperavam, o advento do disparo de bolhas em sua forma canônica. Em 1994, o jogo Taito, derivado de Bolha Bobble, claro, apresentando os dragões Bob e Bub. O nome dele é Quebra-cabeça Bobble (Busque um movimento nos Estados Unidos) porque se enquadra no gênero “jogo de quebra-cabeça”. Marca o advento do Bubble Shooting, uma mistura deArkanoide, de Tetris e de Dor : o jogador atira uma bolha colorida de um canhão que deve se combinar com pelo menos duas outras bolhas coloridas para explodir, produzindo um ruído agradável ao ouvido; e libere espaço, porque muitas outras bolhas estão voando do topo da tela. Pronto, é simples e alivia.

Quebra-cabeça Bobble foi um sucesso nos fliperamas japoneses e foi adaptado em 21 versões diferentes (em breve 22) em Neo-Geo, Super Nintendo, Nintendo 64, Playstation, Playstation 2, Xbox, Wii, Xbox 360, Game Cube, Game Boy, iPhone, Android…

É simples em princípio, porque o decoro destes jogos é naturalmente sumptuoso e a sua música tão cativante quanto possível: é um jogo Taito. É lindo, as bolhas estouram em “ding” e “dong”, os locais mudam, os dragões dançam ou tremem dependendo do andamento do jogo e o canhão é sofisticado. Este não é o caso do jogo que incorpora Bubble Shooting a ponto de parecer ser o seu criador, nomeadamente Arma de bolhas.

O Arma de bolhas Império

Avatares de Bolha de quebra-cabeça aparecem entre 1994 e 2002. A série de Gota Mágica (5 versões para consoles entre 1995 e 2004, outras 2 para PC e smartphones) enriquece o princípio com muitos personagens e muita imaginação. Há também Bolha Congelada, lançado em 2002 para Windows, com pinguins em vez de dragões e músicas legais.

Paf, shpop, puuuuuisssshhhh

Arma de bolhas também saiu em 2002, mas era um clone bastante triste no início: acabou-se a música e as configurações complicadas, o jogo foi reduzido ao essencial, nomeadamente as bolhas para disparar, a bolha do jogador, algumas animações e os efeitos sonoros essenciais. Funciona muito bem também.

O campo de jogo é diferente: Arma de bolhas tem como alvo o mercado de jogos gratuitos para PC e, em breve, para smartphones. Hoje, existem (aproximadamente) 4.780.000 versões diferentes de Arma de bolhas, alguns dos quais são muito mais sofisticados. Obviamente, para o lado do console e do retrogaming, é menos bom, mas continua relaxante, fácil de entender e totalmente viciante, para desespero de alguns empregadores, sem dúvida.

A variante da bolha de pinball

Entre os muitos clones de Quebra-cabeça Bobble lançado na década de 1990, há um que considero muito bom. Quebra-cabeça Uo Poko lançado em 1998 em máquinas de arcade e depois em smartphones. Claro que recomendo a versão arcade, pela sua música “exasperadamente cativante”, pela sua originalidade, pelos seus ruídos amigáveis e pela sua pequena mascote felina. É um tiro de bolha, mas acontece debaixo d'água, daí os efeitos sonoros relaxantes, que contrastam com entonações mais exaltadas ("Preparar? Goooooo”). O jogo usa o princípio do pinball com um lançador de bolhas. E as bolhas eliminadas são na verdade bolhas de ar que liberam oxigênio permitindo que o gatinho respire debaixo d'água. Quando estouram, formam muitas outras pequenas bolhas. E é legal. Mas quando o gato morre, é triste. As almas sensíveis abstêm-se.

O mesmo desenvolvedor, Cave, continuou o trabalho com Quebra-cabeça! Mushihimetama (2005), ainda um pouco mais exuberante. Os sons do mar estão faltando.

3. O que mais ?

Pequeno "Zen" Bolhas

Na série de plataformas de bolhas, Bolhas de praia 3 foi lançado no Xbox em 2013. O mais interessante é que Bolhas Intergalácticas (2015) é um jogo de tiro 3D muito divertido.

Mas quando se trata de estourar bolhas, o melhor é Bolhas minúsculas (1998), um jogo zen subaquático com bolhas tão lindas e tão melodiosas quando estouram que vale todos os vídeos de relaxamento do mundo.

Não estou brincando, você encontrará o consolo que merece.

4. Pequeno retorno à música em Bolha Bobble

Esse Vídeo do youtube apresenta as diferentes versões do jogo.  

Mas claro, o melhor ainda é a sua música: aqui está o original no NES graças ao canal 8bitStereo de Niko; bem como um fantástico versão com letra em Brentalfloss; e um versão para piano o que é divertido no canal Lara6683.



Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Yannick Campe

Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Sobre

Na FLEX adoramos videogames, é essa paixão que abalou nossa infância (e talvez a sua!?) que nos impulsiona nesta aventura, de projetar e fabricar máquinas soberbas para reproduzir os melhores títulos da jovem história dos videogames. Produzimos uma gama “pronta para jogar”, mas também fazemos encomendas especiais para terminais de arcade únicos e com personalidade usando, por exemplo, a base de um barril de vinho de 300L ou uma caixa de munição do exército francês! Estamos à sua disposição para seus projetos, compartilhe seus sonhos mais loucos, adoramos torná-los realidade.

Os artigos mais recentes

Nos siga no Facebook

Monte seu terminal você mesmo (tutorial)

Anúncio

0
Seu carrinho está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nenhum item ao seu carrinho.

Procurar produtos
Alimentado de Caddie
pt_PT