Um console retrogaming – O Megadrive (1988)

Você era mais Sega “Sonic” Megadrive ou Super “Mario” Nintendo? A vantagem de possuir um terminal FLEX-arcade é que uma vez Recalbox instalado, você está realmente em posição de escolher seu console rainha da era de 16 bits como um gourmet do retrogaming. Já na adolescência, você ficou cegamente do lado de um ou de outro, dependendo da escolha que seus pais fizeram no Natal. Pelo menos essa é a impressão de quem não possuía nenhum deles, mas ouvia os debates travados acima dos insossos vegetais do cantoche. Aliás, o que era o Megadrive?

Resumo

  1. Sega antes do Megadrive
  2. Megadrive, console retrogaming do futuro em 1990
  3. O marketing imparável do estranho legal
  4. Alguns jogos direto do Megadrive
  5. Recursos do Megadrive

A história dos consoles de videogame é convencionalmente dividida em “gerações” ou “eras”. A primeira geração de consoles (1972-1980), equivalente à pré-história, pode ser resumida em uma palavra: “Pong”. A segunda geração (1976-1983) pode ser resumida em uma palavra: “Atari”. A terceira geração é a era dos consoles de 8 bits e pode ser resumida em uma palavra: “Nintendo” (ou “NES”). A quarta geração (1987-2000, ou algo parecido), a era dos 16 bits, pode ser resumida em dois consoles: o Super Nintendo e o Sega Megadrive.

Na época dessa rivalidade, eu não estava familiarizado com essas histórias de “16 bits”, além de válvulas bobas e dignas de idade. Por outro lado, “Super Nintendo” e “Megadrive”, isso, eu lembro.

Não entendi muito sobre isso, mas o que entendi se encaixa perfeitamente com o que a história reteve: foram as "Guerras de Consoles", e muitos dos meus contemporâneos adolescentes escolheram o lado do Ouriço Azul.

A Nintendo era boa, ok, era a chefe da indústria, e para os pais e a irmã mais nova, era perfeita. Mário, Dunkey Kong, sim, respeito, nós gostamos também, Antes. Mas para os adolescentes, o Megadrive era legal. Foi velocidade e ação, sangue e fúria. A Sega era mais forte que eles. A marca tornou isso conhecido.

1. Sega antes do Megadrive

A frente da frente: caça-níqueis, cabines fotográficas, máquinas de pinball

A empresa conhecida hoje como Sega era americana, depois nipo-americana e depois japonesa. Em 1940, três americanos (Marty Bromely, Irving Bromberg e James Humpert) fundaram a Standard Games no Havaí. O negócio deles: caça-níqueis para soldados americanos, o que obviamente funciona muito bem. Uma rápida olhada Arcade-Museum. com ?

Em 1951, uma lei proibia a instalação de bandidos manetas em quartéis localizados em território americano, incluindo, claro, o Havaí. Este é o azulejo, mas também uma oportunidade de ver noutro lado se a relva está mais verde. No Japão ainda há muitos soldados americanos, então vá para o Japão. Os jogos padrão se tornarão jogos de serviço (daí Sega) em 1952. Primeira importação de jogos de serviço máquinas caça-níqueis os Estados Unidos. Depois fabrica suas próprias máquinas no Japão com as fundações de Nihon Goraku Bussan (ramo de distribuição) e Nihon Kikai Seizou (ramo de fabricação) em 1960. Antes de acabar exportando-as para todo o mundo. E funciona bem.

A empresa diversifica com jukeboxes e máquinas de pinball. E com as primeiras máquinas de fliperama no início da década de 1960, que começaram a fazer sucesso na terra do sol nascente (é preciso encaixar “terra do sol nascente” em um ponto ou outro).

Outro americano entrou em cena em meados da década de 1950: David Rosen, que chegou ao Japão como soldado e lá permaneceu após sua desmobilização. Seu negócio: cabines fotográficas. E funciona bem. Sua empresa, Rosen Enterprises, diversificou-se em jukeboxes e máquinas de pinball. Mas especialmente com os primeiros terminais arcade no início dos anos 1960, que começaram a atingir a terra do Sol Nascente (tivemos que realocar a terra do Sol Nascente).

As duas entidades competem entre si, o que deve ter parecido bobagem para elas.

O Antes: máquinas de fliperama 

Da fusão da Nihon Goraku Bussan e da Rosen Enterprises, a Sega Enterprises nasceu em 1965, liderada por David Rosen. A Sega prosperará principalmente no campo dos jogos de arcade, mas você não precisava que eu soubesse disso.

A primeira máquina de arcade de grande sucesso produzida pela Sega foi a famosa Periscópio (1966), que permite ao jogador controlar um submarino. Por que “famoso”? Claro que ele tem sua própria página Wikipédia ! Se você estiver interessado, o site SegaRetro.com oferece nada menos que 65 páginas dedicadas a “jogos de arcade eletromecânicos” do mesmo tipo que Periscópio.

A partir de 1972, a Sega entra na era da eletrônica propriamente dita e, portanto, dos videogames arcade. Com sucesso atestado pelo fato de que muitas outras máquinas de arcade da Sega têm suas próprias páginas na Wikipédia, como foz, Campeão Peso Pesado, GP de Mônaco, Jogo Tranquilizantee Onde de cabeça erguida. Eles são um sonho, não são?

A empresa constrói e distribui máquinas arcade, mas também se torna uma reconhecida editora de jogos, que é hoje a base do seu poder (não tenhamos medo das palavras). Clássicos como Frogger e turbo (1981 e 1981) foram publicados pela Sega e usados nos primeiros consoles domésticos, Atari 2600 e ColeVision.

No início da década de 1980, quando tinha uma sólida reputação como fabricante e editora, houve uma forte tentação de embarcar no grande negócio do momento: a consola doméstica, precisamente. E quando a tentação é forte, o que você quer? Nós sucumbimos a isso.

O pouco antes: a era dos consoles

A Sega lançou o SG-1000 no Japão em 15 de julho de 1983, mesmo dia do Famicom da Nintendo (aqui chamado de NES): podemos, portanto, falar de competição frontal. A máquina só é vendida no Japão, ao contrário do segundo console de 8 bits da Sega, o MasterSystem, lançado em 1986 para conquistar o vasto mundo.

O desempenho comercial geral do MasterSystem é apreciável: 13 milhões de unidades vendidas em todo o mundo. Mas o NES vendeu cerca de 62 milhões de unidades. A era dos 8 bits é, portanto, para a Nintendo. Por outro lado, a Sega tem a honra de inaugurar a era dos 16 bits em 1988, dois anos antes do seu concorrente (o Super Nintendo, ou SNES, foi lançado em 1990 no Japão). E aqui estamos na época do Megadrive.

2. Megadrive, console retrogaming do futuro em 1990

O console que mata, mesmo na era do retrogaming. E Ruas da Raiva II conectado a ele!

O Megadrive foi lançado em outubro de 1988 no Japão, agosto de 1989 nos Estados Unidos e novembro de 1990 na Europa. Na América do Norte, chama-se Genesis, porque outra empresa americana de informática já se chamava Mega Drive Systems (sim, perguntei a um mecanismo de busca).

Evitemos a questão dos números: cerca de 40 milhões de Megadrives são vendidos em todo o mundo (metade nos Estados Unidos), em comparação com aproximadamente 49 milhões de Super Nintendos (23 milhões nos Estados Unidos). Então houve uma partida, ou melhor, uma guerra. A Nintendo vence no Japão, onde apenas 3,5 milhões de Megadrives são vendidos, em comparação com 17 milhões de SNES.

Livremo-nos da questão do futuro: depois do Megadrive, o setor de consoles será significativamente menos lucrativo para a Sega, que também abandonará o negócio em 2001 após o relativo fracasso do DreamCast (1998), que mesmo assim foi o primeiro console 128 bits (112 bits a mais em dez anos, está passando, né?).

Mas em 1990, as coisas estavam indo rápido para o Megadrive e a Sega.

Este projeto!

Primeiro, o console era preto (é elegante e esbelta a silhueta), todo curvado (aerodinâmica). E aponte para o controlador! Tudo em curvas também (para negociar melhor as curvas). Mais tarde, houve até o controlador de 6 botões, aquele que você tinha que ter.

6 botões. Você tinha que ter isso.

Um carro de corrida. Melhor, um ônibus espacial. Além disso, a Nintendo era muito “quadrada”, você não consegue voar com essa máquina. A Sega era de alta tecnologia voltada para especialistas em jogos. Adolescentes, então. O argumento de marketing era que tudo era mais rápido no Megadrive, e isso se refletia logicamente no design. Francamente, era um objeto lindo, um objeto do futuro.

Logotipos de corujas

Sem queixas.

O logotipo da Sega não mudou, ou apenas marginalmente, desde 1982, mas em 1990 nós o descobrimos. E foi muito legal, com essas estradas impressas nas letras que davam vontade de percorrê-las a toda velocidade. E o logotipo do Megadrive? Um logotipo da equipe de Fórmula 1. O futuro, nós lhe dizemos.

3. O marketing imparável do azarão ousado

Tenho plena consciência de que me atirei de cabeça na ladeira escorregadia que conduz à porta aberta, mas as guerras entre duas marcas dominantes são sempre a mesma coisa: o líder finge nunca olhar para trás enquanto o desafiante mostra os músculos e refere-se sempre ao líder. Então foi a Sega quem fez o show, com talento.

Os melhores anúncios

Não foi muito difícil ser mais forte que eu ao mesmo tempo.

A luta contra a Nintendo foi travada de forma mais visível nos Estados Unidos, onde a publicidade comparativa é permitida. Isso gerou a campanha "Gênesis faz o que a Nintendo não faz". Na França, isso gerou a campanha “Sega, é mais forte que você”, abertamente focada em desafio, velocidade e modernidade. Todo mundo conhece ela, é a prova de que foi ótimo (veja recursos no final do artigo).

Não me lembro das campanhas da Nintendo. Deve ter havido um encanador e cogumelos, eu acho. Coisa fofa.

O mascote arremessador

Sonic é um ouriço azul que realmente não se parece com um ouriço (isso, espinhos? Eggman tem bigode com espinhos, mas Sonic não). Se não tivéssemos chamado de "ouriço"... Aí está o focinho, é verdade. Ainda assim, vai muito rápido e desafia a força centrífuga. Usa a cor da marca. Pronto, já fizemos o tour. Existe realmente o suficiente para fundar um império que abrange videogames, quadrinhos, cinema e televisão?

A Sega precisava de um mascote para se opor a Mario. Este papel foi planejado para Alex Kidd, herói de Alex Kidd no Mundo Milagroso (1986). Mas ele não era ótimo. Além disso, se eu não lhe mostrar fotos dele, você conseguiria descrevê-lo? (Não vou mostrar fotos.) Então a Sega criou outro, com cores da marca e características que combinavam exatamente com as supostas qualidades do Megadrive: a velocidade e a fluidez de seus jogos. E é verdade que naquela época tivemos a impressão de ver algo realmente novo (velocidade e principalmente loops) enquanto tocávamos sônica, e além disso conversamos sobre isso enquanto jogávamos, como se estivéssemos participando de um momento da história dos videogames. Opiniões ingênuas? Estou tranquilo ao ver que é realmente assim que apresentamos sônica ainda hoje.

O primeiro jogo Sonic O ouriço foi lançado mundialmente no verão de 1991, bem a tempo de contrabalançar o lançamento do Super Nintendo. O jogo ficou grátis com a compra do console, e alguns camaradas repassaram conscienciosamente o argumento de marketing da Sega para o verdadeiro tomador de decisões em termos de presentes de fim de ano: o Papai Noel.

Sangue real, em pixels reais!

Fatalidade!

O jogo combate mortal triunfou em uma máquina de fliperama, em parte porque era ótima (eu joguei!), em parte porque vimos nela sangue muito espesso e "fatalidades" mortalmente fatais (vi a coluna vertebral!). As versões de console foram, portanto, aguardadas com ansiedade. Porém, a versão arcade causou escândalo, o jogo apareceu no SNES e Megadrive em versões diluídas. Mas no Megadrive era possível encontrar sangue e fatalidades desde que você inserisse o código “secreto” no início do jogo.Essa pequena história inevitavelmente desequilibrou os debates na cantina em favor da Sega, a empresa da audácia e da criatividade. .

Muitas lendas urbanas adolescentes promoveram o lado criativo e ousado da Sega. Um dia, alguém (bem, ele devia ter uns 10 anos) me explicou muito seriamente que a Sega havia sido fundada por ex-trabalhadores da Nintendo insatisfeitos com sua falta de liberdade criativa. Provavelmente um artigo mal compreendido. Além disso, não deverão faltar histórias de transferências de funcionários entre a Nintendo e a Sega.

Foi tudo, claro, muito marketing. Mas quando se trata de jogos, o que resta do Megadrive?

4. Alguns jogos direto do Megadrive

Com a existência de terminais como os de FLEX-arcade, é possível reproduzir 8.000 videogames em todas as versões possíveis. De repente, lembrei-me dos jogos que associamos espontaneamente ao Megadrive, mesmo que não os tivesse necessariamente jogado.

É o mascote, o que você quer?

Sonic O ouriço (1991)

Os loops são sempre tão bons. Um aspecto do jogo que gosto muito é o azul. Acho isso magnífico. Ok, é a cor do Sonic e, portanto, da Sega, mas isso explica completamente? Quando os especialistas comparam o Megadrive e o SNES em retrospectiva, um aspecto continua surgindo: este último tinha uma paleta de cores mais ampla. Isto nunca me impressionou particularmente, talvez porque não me interessasse muito, ou talvez esta falha tenha sido simplesmente apagada para os melhores jogos. O Megadrive é o console azul.

Aladim (1993)

Nunca joguei, mas é um dos jogos Megadrive mais bem avaliados do mundo. Eu também não vi o filme, veja bem. Não sou muito fã da Disney, fiquei tão cauteloso.

Não gosto de ser abalada nas minhas certezas, e por isso é com muito pesar que tenho que dizer que é maravilhoso. Um verdadeiro filme de animação, com ruídos, cores bonitas, movimentos fluidos. O que significa que vale a pena descobrir certas obras quarenta anos depois. E tem azul, parece um sonho.

NBA Jam (1994)

Quando eu era adolescente, um dos grandes argumentos a favor do Megadrive eram os jogos esportivos. Ela ofereceu mais, o que combinava bem com a imagem de sua marca. O jogo se mantém no retrogaming? Isso seria assunto de um artigo em si. Sempre existe isso NBA Jam, que eu não conhecia, mas que foi muito apreciado quando foi lançado, é realmente ótimo! Até porque oferece puro prazer arcade que as (maravilhosas) simulações de agora já não permitem: desrespeitar as leis da gravidade (e as regras do basquetebol) ao contra-atacar tiros a 4m de altitude com um balão em fase descendente. Não estou nem falando das enterradas estratosféricas e das faltas violentas.

A Vingança de Shinobi (1989)

Praticamente isso...

Um amigo do ensino médio imitou o lançamento de shuriken enquanto gritava “Shinobi!” ". Levei muito tempo para entender onde ele queria chegar com isso. Agora eu faço mímica de shuriken me jogando muito bem. É a nata dos jogos ninja, de fato. As aparições de Schwarzenegger/Exterminador do Futuro, Homem-Aranha, Batman e Godzilla já valem o desvio por si só.

Moonwalker de Michael Jackson (1991)

Tivemos que tentar porque é um jogo especificamente da Sega e especificamente do Michael. É muito engraçado e continua muito original: ainda interpretamos Michael Jackson que luta enquanto dança e salva crianças (sem comentários). Porém, o jogo desperta menos interesse além dos vinte minutos. É muito repetitivo. Mas já não era assim naquela época?

A música não é ruim.

Ruas da Raiva I, II e III (1991-1993)

Na verdade, era isso que eu estava procurando. Porque eu nunca tinha jogado Ruas da Fúria e Sempre soube que isso estava faltando na minha vida. E por se tratar de uma série Megadrive especificamente catalogada e referenciada no topo do topo do Bata todos eles. Três anos, três jogos, chamamos isso de golpear enquanto o ferro está quente. O princípio: escolhemos um personagem entre 3 (ou 4 em II e III) e seguimos um cenário que deve nos levar a derrotar todos. Isso realmente estava faltando na minha vida.  

Como seria de esperar, os gráficos melhoram muito à medida que você joga. Tenho tendência a pensar que II e III são muito comparáveis em termos de excelência, mas esta é obviamente a opinião de um filisteu estúpido, porque foi II que entrou no panteão dos videojogos. Ruas da Fúria I é menos fluido, claro, mas isso é compensado por uma excelente jogabilidade (expressão que não uso levianamente, acredite, porque demorei anos para entender. Um pouco como “é preciso que areje” para o vinho ).

Melhor: jogue todos os três seguidos!

Se medirmos a qualidade do Megadrive por Ruas de raiva, Agora entendo melhor o entusiasmo dos meus amigos de escola por este console lendário.

5. Recursos no Megadrive e na Guerra dos Consoles

  • Anúncios, é claro! O lendário Campanha da Sega francesa (e especificamente francês) no canal Rétrojeux no YouTube. E as campanhas americanas para Gênese no canal PixelSlayers.
  • Uma entrevista com Blake J. Harris, autor do livro Console Wars: Sega, Nintendo e a batalha que definiu uma geração, publicado em 2014, no canal do YouTube Lon.TV. Antes de ler o livro, talvez? No YouTube tem muitos documentos sobre o Console Wars, aqui está um bastante longo e completo, mas todo em inglês, no canal Cachorro Duplo.

Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Yannick Campe

Yannick Campe

Editor da web, secretário editorial e até canivete suíço de vez em quando. Interessado em várias áreas, incluindo videojogos. Embora ainda tenda a confundir os botões e cair das plataformas.

Sobre

Na FLEX adoramos videogames, é essa paixão que abalou nossa infância (e talvez a sua!?) que nos impulsiona nesta aventura, de projetar e fabricar máquinas soberbas para reproduzir os melhores títulos da jovem história dos videogames. Produzimos uma gama “pronta para jogar”, mas também fazemos encomendas especiais para terminais de arcade únicos e com personalidade usando, por exemplo, a base de um barril de vinho de 300L ou uma caixa de munição do exército francês! Estamos à sua disposição para seus projetos, compartilhe seus sonhos mais loucos, adoramos torná-los realidade.

Os artigos mais recentes

Nos siga no Facebook

Monte seu terminal você mesmo (tutorial)

Anúncio

0
Seu carrinho está vazio!

Parece que você ainda não adicionou nenhum item ao seu carrinho.

Procurar produtos
Alimentado de Caddie
pt_PT